Archive for the ‘saudade’ Category

  • Finados

    Date: 2015.11.02 | Category: espírito, mãe, pai, saudade, vida interior | Response: 0

    Hoje é dia de lembrar, e eu estou lembrando. De mãos. Mãos. Eu não sei se muitos adultos param para pensar que tudo para a criança é muito alto, muito grande, muito largo, então ela vê as coisas em pedaços. Pelo menos, assim era comigo.Uma das minhas lembranças mais antigas era de adultos conversando enquanto eu enxergava muitas pernas, minha visão passando muito pouco da altura daqueles joelhos.

    Mãos. Mãos são pequenas o suficiente para uma criança observar. Lembro das minhas queridas mãos. As mãos de minha avó, pintadinhas de idade, rezando o terço, eu deitada em seu regaço esperando o fim da reza e mais uma história de Pedro Malasartes antes de receber minha bênção e dormir. As mãos da irmã de minha avó, deformadas pelo reumatismo, mas ainda ágeis para costurar roupinhas para minhas bonecas, brincar de massinha, me chamar para enrolar rosquinhas de polvilho e fazer o doce de laranja mais gostoso que eu já provei. A eterna disponibilidade daquelas mãos.

    As mãos da minha tia acendendo a lamparina diante da imagem da virgem sobre sua cômoda. Mãos de professora, girando o mimeógrafo e deixando a casa com cheiro de álcool, datilografando e me deixando datilografar em sua máquina portátil, me interessando pelas letras antes mesmo que eu aprendesse a ler. Mãos finas e muito brancas, as mãos de professora de minha tia. As mãos tão bonitas de minha mãe, sempre de unhas pintadas e tão cheirosas que o ritual de dormir da Malu-bebê incluía cheirar seus dedos, e só os seus. Nenhum outro servia.

    As mãos de meu pai… muitos momentos eu olhei aquelas mãos fazendo coisas. O cigarro era seu eterno companheiro. Eu as observava fumando, dirigindo, escrevendo, limpando as peças de carne do churrasco, me ensinando a fazer pequenos consertos pela casa. A última coisa que ele fez em vida, na ambulância que o levou pela última vez ao hospital, foi me estender a mão e me soprar um beijo. Na minha alma ainda seguro firme na minha a mão do meu pai.

    Mãos que me guiaram pela vida, me mostrando o que fazer e o que não fazer. Me apoiaram, me ensinaram a andar, a escrever, a fazer crochê, a costurar e a cozinhar. Principalmente mãos que me amaram. Hoje é o dia de lembrar delas, de pedir a Deus que estenda suas mãos misericordiosas em direção às minhas queridas mãos, e as mantenha na graça. Que nenhuma delas se solte, Senhor.

  • O que importa

    Date: 2010.04.23 | Category: amizade, Asas de Borboleta, beleza, espírito, saudade, vida interior | Response: 3

    Recebi um comment especial, infelizmente o WordPress ou a Sonia (a comentarista em questão) não vincularam o texto a um post, pelo menos eu não achei o link. O melhor mesmo, então, é simplesmente citar o comentário aqui:

    Olá,
    Faz uns meses que adicionei seu blog nos meus favoritos, pois havia gostado imensamente das suas mensagens, pois me identifico muitíssimo com elas. Perdi meu pai, também com o tal tumor, e dias depois, minha mãe teve um derrame, vindo falecer no ano seguinte.Eu nunca sofri tanto em toda a minha vida. Acompanhei meu pai no hospital e depois minha mãe que morava com a minha irmã.
    Neste momento, estava eu olhando meus favoritos, onde tem muitas opões, de repente vi o seu blog, e entrei, e chorei novamente.
    Gostaria de parabenizá-la pela maneira poética e ao mesmo tempo objetiva que escreves, e por toda força que teve e tem.
    Um beijo carinhoso, de uma desconhecida que se sente ligada à você.

    Sonia, querida desconhecida, você entendeu errado, a força não é minha… É você que me dá esta força, quando me escreve, é um aluno que me diz que eu fiz diferença na vida dele, é um amigo que me abraça, é um estranho que me sorri. Eu simplesmente abro as asas e deixo o vento me levar.

    Obrigada por existir, obrigada por escrever. Sinto muito que você tenha passado por estas perdas tão próximas uma da outra, imagino o quanto foi duro. Minha mãe morreu 20 anos antes do meu pai, os dois devido a complicações causadas por tumores. Nas duas ocasiões lá estava eu ao lado deles, tentando engolir o medo e a tristeza para ajuda-los a nascer para a vida eterna. Acho que fui mais bem sucedida da segunda vez,  era tão jovem durante a doença da minha mãe…

    Como já disse tão bem o Dennis D. na ocasião do falecimento do meu pai, os buracos da alma ficam. Quanto a isso nada há para ser feito. É bom saber, no entanto, que há esta irmandade e esta humanidade à nossa volta que também sofre, que também sente. Se a minha dor ajuda a confortar a sua, saiba que a sua também ajuda a confortar a minha. Saiba com toda a segurança que estamos, sim, ligadas, e que isto é muito bom.

    Bem vinda ao meu coração 🙂

  • Sete anos de que mesmo?

    Date: 2010.03.17 | Category: Alex Cabedo, amizade, Asas de Borboleta, espírito, saudade, vida interior | Response: 2

    alex sete anos

    “A morte não nos persegue: apenas espera, pois nós é que corremos para o colo dela. Talvez o melhor de tudo é que ela nos lembra da nossa transcendência. Somos mais que corpo e sangue e compromissos, susto e ansiedade: somos mistério, o que nos torna maiores do que pensamos ser.
    E o amor, quando se aproxima desse território do estranho, tem de se curvar: com dor, com terror, com enorme ansiedade dá um salto irrevogável para essa prova maior. E então começa a ser ternura; e então se aproxima, muito vagamente, de alguma coisa chamada permanência.” (Lya Luft em Secreta Mirada)

    Se eu soubesse em janeiro de 2003 o que aconteceria em 16 de março, quase certamente teria dado um jeito de partir para Barcelona e apertar forte um amigo querido nos braços, antes que este partisse. Se eu soubesse em abril de 2003 o que sei hoje talvez não tivesse sofrido tanto… mas não, mesmo a cada experiência aprofundada o peso da partida é quase mais do que podemos suportar. A cada março passo por minha Quaresma Particular, me despeço novamente de ausências antigas e algumas vezes, dolorosamente, como neste ano de 2010, faço despedidas novas.

    No dia sete deste mês, para minha profunda tristeza e consternação, perdi meu confessor e grande amigo, D.Tadeu Lopes, OSB, reitor do Colégio São Bento aqui no Rio. Meu amigo há quase trinta anos, meu confessor desde a morte de meu primeiro orientador espiritual, D. João Evangelista Enout, OSB, falecido a treze de março de 1993, uma sexta feira de inundação no Rio. Perdi repentinamente estes dois grandes amigos em março, como perdi repentinamente o muito querido Alex Cabedo no março de sete anos atrás.

    Perdi?

    Eu me pergunto o que foi que eu perdi deles, se a cada dia que passa a voz pausada e serena de um, o olhar amoroso e acolhedor de outro, a escrita e a inteligência do terceiro, estão presentes e firmes à minha volta, crescem mesmo, e se modificam à medida em que moldam meu próprio espírito e a maneira como convivo com o mundo material que se apresenta no meu hoje. Aliás, relendo a sentença anterior, percebo encantada que não sei determinar a qual deles pertence a voz, o olhar, a inteligência, porque fui sobremaneira afortunada de encontrar tudo isso nos três…

    Meus amados quaresmeiros me guiam nesta dolorida viagem de transmutação da perda em asas de borboleta, e se existem hoje pessoas que encontram a doçura que precisam em meu colo, voz ou olhar, que saibam com toda a certeza que meu coração é adoçado por eles.

    Alex, então, é o milagre da amizade que se aprofunda depois da perda, que se desmembra em novas amizades e descobertas, que cresce e se desenvolve como sua filha o faz diante de mim. Quantas e quantas vezes, amigo querido, agradeci a imensa generosidade dos presentes com os quais me regala, como já agradeci por Cristina e Carmem e Paula e Carolina… e qual minha alegria de ver que há mais pessoas a descobrir e conhecer, que existem mais presentes seus a serem abertos em futuras datas especiais… bendita Internet!

    Quantas vezes, em meu coração, trocamos sorrisos e abraços que só nós sabemos, quantos sorrisos enigmáticos deixaram as pessoas à minha volta intrigadas… não posso, não seria justo falar em perda quando falo de Alex, porque meu conhecimento dele e meu relacionamento com ele só foi acrescido depois de sua partida.

    Posso falar – isso sim – de um renascimento constante destes três dentro da Secreta Morada (com trocadilho, obrigada, Lya! Obrigada Helô Capel, pelo maravilhoso presente do livro!) do meu coração. E o outono brota e se transforma numa perfumada primavera, em busca da Páscoa.

    E a Páscoa vem, ela vem!

    Feliz Aniversário, Alex, Dom João. Vá em paz, querido Dom Tadeu.

  • Presente

    Date: 2009.10.12 | Category: Asas de Borboleta, beleza, saudade | Response: 1

    Ganhei de presente de um mais que querido amigo esta linda animação de um trecho da ópera Madama Butterfly de Puccini. Confiança de Cio-Cio-San no retorno de seu amor, no início do Ato II, como narra a Wikipedia:

    Pinkerton regressou aos Estados Unidos; prometeu, porém, que voltaria “quando os pintarroxos fizerem os seus ninhos.” Já se passaram três anos. Butterfly chora, e Suzuki reza o tempo inteiro, ajoelhada diante da imagem do Buda. Suzuki diz a Butterfly que suspeita que seu marido não voltará mais. “Cala a boca, ou te mato!”, responde Butterfly. Ela chora, mas não perde a esperança: Un bel dì vedremo – um belo dia veremos um fio de fumaça no horizonte – o navio de Pinkerton!

    Momento de eterna beleza, um amor inocente e confiante, ainda não machucado pela realidade sórdida de Pinkerton. Fica de presente para vocês, com um beijo.

    Un bel dì, vedremo
    levarsi un fil di fumo sull’estremo
    confin del mare.
    E poi la nave appare.
    Poi la nave bianca
    entra nel porto, romba il suo saluto.
    Vedi? È venuto!
    Io non gli scendo incontro. Io no. Mi metto
    là sul ciglio del colle e aspetto, e aspetto
    gran tempo e non mi pesa,
    la lunga attesa.
    E… uscito dalla folla cittadina
    un uomo, un picciol punto
    s’avvia per la collina.
    Chi sarà? chi sarà?
    E come sarà giunto
    che dirà? che dirà?
    Chiamerà Butterfly dalla lontana.
    Io senza dar risposta
    me ne starò nascosta
    un po’ per celia e un po’ per non morire
    al primo incontro, ed egli alquanto in pena
    chiamerà, chiamerà:
    Piccina mogliettina
    olezzo di verbena,
    i nomi che mi dava al suo venire.
    [a Suzuki]
    Tutto questo avverrà, te lo prometto.
    Tienti la tua paura, io con sicura
    fede l’aspetto.

  • Anjo

    Date: 2008.10.22 | Category: amor, encantamento, minerin-candango, saudade, vida interior | Response: 0

    Acordar com sua voz no meu ouvido, ainda no quentinho da noite anterior, é muito bom. Sentir que sua saudade e a minha são irmãs é consolador. Saber que meu silêncio incomoda você tanto quanto o seu me incomoda é revelador. Foi delicioso, amado, sentir a sua presença. Tive até mesmo força para enfrentar o resto do dia.

    Tenho tido dificuldade em escrever, sempre me perguntando até onde eu devo expor tanto sentimento em espera, mas hoje descobri – tão surpresa – que mesmo meu reservado amado precisa às vezes se expressar. Eu, que vivo e me alimento de me comunicar, decidi parar de travar o que está precisando tanto de voz.

    Eu amo você. Você está longe, tem seu trabalho para fazer tanto quanto eu tenho o meu. Não importa. Seu nome sai quase imperceptível, baixinho, mas muito doce de meus lábios, e eu paro um instante de trabalhar para olhar pela janela o sabiá pousado na goiabeira e pensar em você. Os passarinhos todos consumindo as frutas das quais eu abdiquei em troca da alegria alada de todas as tardes. A visita do beija-flor que fez morada no forro do telhado e gosta de me observar na minha mesa de trabalho. Aí meu coração alça seu proprio vôo e pousa leve sobre o ombro onde eu desejo tanto encostar a cabeça. De alguma forma que não sei explicar, você está aqui da mesma forma que eu estou aí. Tão longe, meu amor, mas tão dentro de mim.

    Estamos cercados de anjos, meu Joaquim. Alguns até dizem que somos anjos. Seus colegas o chamam de anjo protetor, você mesmo diz que eu sou o SEU anjo. Já sei bem sabido que tenho dois anjos que me amam profundamente, que me deram a vida enquanto estavam aqui nesta terra, e que tenho a certeza desejam a nossa felicidade. São Miguel Arcanjo, guerreiro, protege com sua espada sua luta e a minha.

    Há a luta, há este enorme campo de batalha que chamam de Mundo. Podemos, eu e você, enfrentar tudo isto todos os dias. Sobrevivemos e crescemos, é certo. Mas há também o descanso e a doçura, e a isto também temos direito. Acima de tudo, temos direito ao nosso amor. Que este seja nosso anjo, o mais forte e o mais presente.

    Angel – Sarah McLachlan

    Spend all your time waiting for that second chance
    For the break that will make it OK
    There’s always some reason to feel not good enough
    And it’s hard at the end of the day
    I need some distraction or a beautiful release
    Memories seep from my veins
    Let me be empty and weightless and maybe
    I’ll find some peace tonight

    In the arms of the Angel fly away from here
    From this dark, cold hotel room, and the endlessness that you fear
    You are pulled from the wreckage of your silent reverie
    You’re in the arms of the Angel; may you find some comfort here

    So tired of the straight line, and everywhere you turn
    There’s vultures and thieves at your back
    The storm keeps on twisting, you keep on building the lies
    That you make up for all that you lack
    It don’t make no difference, escaping one last time
    It’s easier to believe
    In this sweet madness, oh this glorious sadness
    That brings me to my knees

    In the arms of the Angel fly away from here
    From this dark, cold hotel room, and the endlessness that you fear
    You are pulled from the wreckage of your silent reverie
    In the arms of the Angel; may you find some comfort here

    You’re in the arms of the Angel; may you find some comfort here

  • Espasmos

    Date: 2008.07.27 | Category: amor, luta, minerin-candango, pai, saudade, vida interior | Response: 0

    Órfã na Janela – A.Prado

    Estou com saudade de Deus,
    uma saudade tão funda que me seca.
    Estou como palha e nada me conforta.
    O amor hoje está tão pobre, tem gripe,
    meu hálito não está para salões.
    Fico em casa esperando Deus,
    cavacando a unha, fungando meu nariz choroso,
    querendo um pôster dele no meu quarto,
    gostando igual antigamente
    da palavra crepúsculo.
    Que o mundo é desterro eu toda vida soube.
    Quando o sol vai-se embora é pra casa de Deus que vai,
    pra casa onde está meu pai.

    Hoje não é um daqueles dias em que, sossegada, penso belezuras para escrever aqui. Esta semana foi de montanha-russa emocional, intensa, furiosa. Hoje estou em espasmos, o pensamento aqui e ali, oscilante, nervoso.

    Hoje me pergunto o porquê do mundo ser tão grande, e invariavelmente parecer que as pessoas que me trariam alegria estão do outro lado dele. As doçuras que estas pessoas me ofertam chegam aqui diluídas, fracas, com prazo de validade vencido. Não é um dia de bonitezas, é dia de rosnar, ranger de dentes e silêncios desconfortáveis. Não quero mesmo conversar com as pessoas à minha volta, centrada que estou naquelas que não estão aqui.

    Estou estranha, conflito ambulante, sapato apertado. Alterno entre a vontade de virar a mesa posta do almoço e fotografar os desenhos que o arroz colorido fizesse no chão. A energia contida queria se expressar em meia dúzia de copos jogados com força na parede, e o lirismo queria fazer um véu luminoso para os cabelos com os cacos de vidro.

    Hoje eu simplesmente não me conformo. Hoje é bater a cabeça na parede e sentir na testa a dor da saudade. É sentir no fundo da garganta o amargo do desejo não saciado. Tudo o que vejo me mostra um buraco, só enxergo o que não está ali. Mineira como ele é mineiro, calada como ele é calado, hoje a única poesia que me serve é a poesia seca e altiva de Adélia Prado.

    Corridinho – A.Prado

    O amor quer abraçar e não pode.
    A multidão em volta,
    com seus olhos cediços,
    põe caco de vidro no muro
    para o amor desistir.
    O amor usa o correio,
    o correio trapaceia,
    a carta não chega,
    o amor fica sem saber se é ou não é.
    O amor pega o cavalo,
    desembarca do trem,
    chega na porta cansado
    de tanto caminhar a pé.
    Fala a palavra açucena,
    pede água, bebe café,
    dorme na sua presença,
    chupa bala de hortelâ.
    Tudo manha, truque, engenho:
    é descuidar o amor te pega,
    te come, te molha todo.
    Mas água o amor não é.

  • Dançando

    Date: 2008.06.28 | Category: Alex Cabedo, amizade, amor, esperança, saudade | Response: 0

    Hoje passei o dia só com meus gatos, concentrada, trabalhando. De repente, numa vontade louca de soltar o espírito e a mente do esforço concentrado, coloquei o DVD do Josh Groban para tocar. De repente, sim, de repente, num segundo, estava fora daqui, num outro lugar, tão mais bonito…

    E lá estava você, me esperando, meu amigo, meu amigo, meu amigo. Que doce chamar você de amigo e ver você sorrir feliz. Sorrindo, sempre sorrindo, me convidando para dançar. Meu coração transbordou num riso feliz, marejado de lágrimas, e lá fui eu para o meio das estrelas com você.

    Rodopiar pelo espaço sentindo sua presença amorosa é algo difícil de descrever, amado. Como posso falar de um sentimento que não tem nome, que não é saudade, mas é mesclado de saudade, que não é triste, mas é mesclado de nostalgia… uma alegria suave que nunca é totalmente alegre… Sentir você no meu abraço, leve e quente como a luz do sol quando nos encosta a pele.

    Dançando, rodando, rindo juntos, lá fomos nós para o mais alto firmamento, voando, voando, cada vez mais livres, mais felizes juntos. Segura minha mão forte, Lelex, não me deixa cair… borboletas estão acostumadas com vôos mais próximos do chão.

    Só mesmo o Josh Groban para me levar tão rápido até você.

    Who can say for certain?
    Maybe you’re still here
    I feel you all around me
    Your memory’s so clear…

    Deep in the stillness
    I can hear you speak
    You’re still an inspiration
    Can it be
    That you are my forever love
    And you are watching over me from up above

    Fly me up to where you are
    Beyond the distant star
    I wish upon tonight
    To see you smile
    If only for a while to know you’re there
    A breath away’s not far
    To where you are

    Are you gently sleeping
    Here inside my dream?
    And isn’t faith believing
    All power can’t be seen?

    As my heart holds you
    Just one beat away
    I cherish all you gave me everyday

    ’Cause you are my
    Forever love
    Watching me from up above
    And I believe that angels breathe
    And that love will live on and never leave

    Fly me up to where you are
    Beyond the distant star
    I wish upon tonight to see you smile
    If only for a while to know you’re there
    A breath away’s not far
    To where you are

    I know you’re there
    A breath away’s not far
    To where you are

  • Furacão

    Date: 2008.06.25 | Category: amor, Asas de Borboleta, minerin-candango, saudade | Response: 0

    Photobucket

    Acordar de manhãzinha.
    Suspirar fundo e levantar o corpo já cansado da cama.
    Olhar o céu cinza-chumbo que deixa o Rio com cara de Sampa.
    Sair no meio do frio e da garoa incessante. Fazer a hidroginástica.
    Tomar banho na academia. Arrumar a roupa e o cabelo.
    Correr para o trabalho. Apagar todos os incêndios.
    Andar, falar, escrever, tentar não pensar muito.
    Vestir a camisa da empresa(“afinal ela é sua”).
    Manter minha postura acadêmica.
    Grudar um sorriso no rosto.
    Marcar o dentista.
    Despachante.
    Advogado.
    Contador.
    Esforço.
    Luta.
    Eu.

    Enquanto faço tudo que esperam de mim, em silêncio, no meio da tempestade, espero aquele momento mais precioso que toda a rotina: espero que ela chegue, a sua presença inesperada.

  • Pendências de Março I

    Date: 2008.06.23 | Category: Alex Cabedo, amizade, esperança, saudade | Response: 0

    Photobucket

    Querido,

    Nossa, mas o tempo passa rápido, Alex! OU, como diria a garotada aqui do Rio, “Cinco anos, véi! Caray!”

    Da última vez que conversamos dentro do meu coração eu pedi muito que você levasse meu pai para dar umas voltas neste seu lindo veleiro de luz. Ele sempre foi um homem muito ativo e este ano e meio doente foi penoso demais para ele neste sentido. Vocês parecem iguais em muitas coisas, meu amigo, e tenho certeza que você – que partiu dormindo, sem aviso, rápido como um raio – imagina o sofrimento moral, mais que físico, da dependência, da fraqueza, da falta de mobilidade. Vê se consegue que a mãe vá também, ela é mais medrosa e insegura, mas o tempo que passou desde que ela foi praí já deve ter sanado isto. Enfim… ela é parecida comigo, vocês vão gostar um do outro.

    Espero que seu aniversário de cinco anos tenha sido gostoso, cercado de amigos, cheio de festa, como você gosta e merece. A vontade de estar junto é grande, mas eu me conformo com o sorriso e a piscadela ocasional por trás do pôr-de-sol. Pela velocidade com que o tempo está passando, não será tão demorada a espera até que eu mesma pegue uma carona com você neste seu mar infinito.

    Carolina está linda, cada dia cresce mais graciosa e cheia de alegria e inteligência. Minha amizade com as três meninas de Portugal cresce viçosa, bem igual ao meu amor por você.

    O Dennito comentou, quando papai partiu, que os buracos na alma ficam. Olha, o vazio que você deixou na minha alma virou uma janela de onde fico espiando suas estripulias. É muito bom, viu?

    Aguardo mais sonhos das suas aventuras pelo céu. Adorei as últimas, você é mesmo danado!

  • Presente de Aniversário

    Date: 2007.12.14 | Category: amor, mãe, saudade | Response: 1

    Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

    Minha Mami chegou outro 14 de dezembro… seu aniversário de nascimento. Esse vai ser sempre um dia lindo, mesmo que esteja chovendo cântaros de água como hoje. Mesmo que tudo que eu possa fazer é pensar em como sinto a falta da minha patinha dos olhos verdes de folha nova. Mas que interessam meus problemas, minha tristeza? Você está junto do seu marido lindo agora, e este é o seu maior presente. Eu então respiro fundo e adiciono o meu “assim seja” à sua felicidade.

    Eu te amo Mami. Feliz niver, dá um beijo no Papi por mim.

Tópicos recentes

Comentários

Arquivos

Categorias

Meta