Archive for the ‘amor’ Category

  • Entrega

    Date: 2016.12.27 | Category: alegria, amor, beleza, encantamento | Response: 0

    Nunca fui mansa. Não sou mansa hoje, duvido que um dia eu seja mansa. Desde cedo me criei só, testando minhas forças e minha resistência sem apoio e sem ajuda.  Percorri a maior parte do caminho em companhia apenas do vento e de meus pensamentos. A quantos lugares belos e terríveis eu fui na companhia deles, mas de todos estes lugares eu voltei, inteira, para estar aqui.

    Meu temperamento é afogueado e guerreiro, e é justamente este fogo e esta força que me tornam a mais fiel das companheiras, a mais leal das amigas. Percorro qualquer distância, trabalho e luto até meu coração estourar para ajudar aos que amo. Não há simplismo possível no meu caso, é tudo complexo e multicor. Nada é lugar-comum, nem minhas qualidades nem meus defeitos.

    Tentaram, ao longo dos anos, me domesticar. Inútil. Sou indomada, não aceito arreio. A mão dura da conquista não me subjuga. Sou arisca, sou veloz e sou agressiva também. Ao menor sinal de cabresto eu empino, e se tentam o laço eu mordo e coiceio. A mão do afago e da paciência, por outro lado, me acalma. A nobreza e a força me atraem, a doçura me conquista, mas sempre quis os três, juntos. Não achando, caminhei sozinha.

    Segui sendo de um equilíbrio delicado, instável, que se desfaz e se recompõe como os caleidoscópios. Doía, às vezes, ser quem sou, me perguntava se algum dia alguém viria ao meu encontro sem me examinar como a um carro usado, procurando defeitos, antigas batidas, razões para reduzir o preço da compra…  Doía, porque não sabia se, mesmo diante do parceiro mais perfeito, eu saberia deixar de ser sozinha para ser um par.

    Eis que chega o momento da entrega, o momento que eu imaginava com um pouco de tremor, e não, não há nada a temer. Ele existe, é nobre, é doce, passou por tantos lugares terríveis quanto eu, talvez lugares ainda mais escuros e assustadores. Ele é forte, mas em vez do arreio, ele me oferece a mão. Mão que eu posso deixar um instante para investigar algo ali adiante e depois retornar, segura de que espera por mim. Ele destila minha doçura e estimula minha docilidade, justamente porque ama minha força.

    Agora é dele, é para ele, é por ele, cada batimento do meu coração.

  • Manifesto Anti-Feminista

    Date: 2016.12.03 | Category: alegria, amor, encantamento | Response: 0

    clarisse_e_os_homens

     

    “O homem. Como o homem é simpático. Ainda bem. O homem é nossa fonte de inspiração? É. O homem é nosso desafio? É. O homem é nosso inimigo? É. O homem é nosso rival estimulante? É. O homem é o nosso igual ao mesmo tempo inteiramente diferente? É. O homem é bonito? É. O homem é engraçado? É. O homem é um menino? É. O homem é também um pai? É. Nós brigamos com o homem? Brigamos. Nós não podemos passar sem o homem com quem brigamos? Não. Nós somos interessantes porque o homem gosta de mulher interessante? Somos. O homem é a pessoa com quem temos o diálogo mais importante? É. O homem é um chato? Também. Nós gostamos de ser chateadas pelo homem? Gostamos.

    Poderia continuar com esta lista interminável até meu diretor mandar parar. Mas acho que ninguém mais me mandaria parar. Pois penso que toquei num ponto nevrálgico, como o homem nos dói. E como a mulher dói no homem.” (LISPECTOR, Clarisse, A Descoberta do Mundo, p.30; Editora Rocco, RJ, 1999)

     

    Clarisse é Clarisse. Ela tem o olho clínico para tocar nestes pontos nevrálgicos. O homem. Esta criatura tão parecida comigo e tão diferente. Esse decifra-me ou te devoro ao qual a gente se entrega sem medo. Ou com muito, muito medo. Com alegria e com raiva e com tanta ternura. Aquele abraço, aquele aconchego, aquele olhar crítico e aquela fala sem dó. O martelo do meu cinzel, aquele que me impele. E que me trava também. O piso e o teto das minhas paredes.

    Como viver com ele é quase tão difícil de descobrir quanto como viver sem ele. Como se cuida de um homem sem se tornar sua mãe, e como deixar que ela a proteja sem se tornar sua filha? Como administrar esta diferença entre pares? Como caminhar junto sem fazer o outro tropeçar?

    O que sei é que é o homem que me define, da mesma forma que é a mulher que define o homem. É uma magia, é um milagre, é uma luta diária. É este chiaroscuro que coloca a vida em foco. Não consigo e não quero imaginar uma vida sem homens, ou com homens emasculados, que deixaram de ser aquilo que são.
    Definitivamente, não sou uma feminista.

  • Perpetuum Mobile

    Date: 2016.11.29 | Category: alegria, amizade, amor, contos, encantamento | Response: 0

    Ele era alto, corpulento. Quem o visse numa foto, barbudo e com um ar feroz, pensaria logo na expressão “voz de trovão”, mas ele era um homem gentil, de voz suave e bem modulada. Seu fogo era profundo, como o magma, só terremotos agitavam a casca de serenidade com força suficiente para fazê-lo entrar em erupção. Bagunceiro confesso, a mente sempre tentando escapar do corpo num devaneio. Amava os livros com paixão.

    Ela era de estatura mediana, curvas fartas, sorriso fácil. Adorava conversar. Muitos amigos, e ela os adorava, mas não era gregária. Multidões a incomodavam. Era uma gata. Como todo felino havia que ter seu momento de solitude, geralmente de madrugada, acompanhada da lua. Organizada e metódica, os potes de tempero da cozinha cuidadosamente etiquetados, as panelas arrumadas por tamanho, nas gavetas as roupas organizadas por cor. Amava livros com paixão.

    Pois livros têm esta característica de juntar. E eles se juntaram pelos livros, pelas letras, pelas palavras. Ficaram juntos pelas conversas, pelos filmes, pelas ideias. Os papos foram ficando mais longos, a vontade de se ver maior. Mas eles tinham esta polaridade estranha: a bagunça dele, a organização dela.

    A bagunça estava lá, perene, impossível de erradicar; o objeto imexível. A organização avançava em ondas, era o mar batendo naquele rochedo do caos; a força irresistível. Como todo o paradoxo, a tensão causa a paralisia. Nem o rochedo bloqueava o mar, nem o mar derrubava o rochedo.  E assim viviam, num moto-contínuo.

    Foram encontrados, de pé, imóveis, segurando a mesma lata de desodorante, em frente à prateleira de artigos de higiene bucal do supermercado. Meses depois, ainda agarrados à lata, ninguém sabe dizer se eles estão mortos ou não.

     

     

     

  • A Rosa e os Espinhos

    Date: 2014.04.14 | Category: amor, espírito, vida interior | Response: 2

    Ela andara só por toda a vida. Como nunca tivera o que verdadeiramente chamar de seu e nunca realizara o destino que desejara para si, ela cobiçava. Cobiçava o destino alheio. Assim é a vida… Quando por muito tempo o caminho trilhado é só, nos parece que só resta espiar, maravilhado e faminto, aqueles caminhos que são compartilhados – daqueles que tiveram a chance do amor verde, tenro e frutificado. Companhia, por isso, parecia a ela o maior dos tesouros. Nunca lhe viera fácil companhia de qualquer tipo. Era simples saber o porquê: nunca fora mansa, não era mansa e duvidava de um dia vir a ser mansa.

    Desde cedo só, testando forças e resistências sem apoio e sem ajuda, percorrera a maior parte do caminho em companhia apenas do vento e de seus pensamentos. Aprendera a solidão e a solidão a fortalecera, pois as dificuldades da vida, quando acompanhadas da solidão, quebram ou fortalecem. Ela certamente se fortalecera, e não só isso. Ela se mantivera isolada, indomada e altiva, cavalo selvagem e livre que não aceita arreio, com o temperamento afogueado e guerreiro como o dos melhores puro-sangue. O fogo e a força a mantinham trilhando, confiante, os caminhos difíceis demais para os mais fracos.

    Mas era preciosa a companhia. Ela a queria. A cada sinal da possibilidade de encontro – que ela sempre desejara livre, forte, afogueado e intenso como ela – ela parava. Muitas e muitas vezes ela se perguntara se era Ele quem chegava, aquele que andaria parelho com nela no seu passo veloz, sem tentar frear a velocidade ou fugir do desafio. Aquele que ela sabia ser tão forte quanto ela (ou mais, mais forte, desejava ela), mas que não utilizasse esta força para coagir ou impedir. Este seria o amor que a impeliria a enfrentar caminhos ainda mais únicos, mais difíceis e ermos, mais cheios de realização pessoal. Era Ele quem traria, por contraste e complemento, aquilo de melhor que ela era.

    Sempre, no entanto, a miragem se desfazia em algum momento, e ela via que, em vez dEle, havia um potro jovem pedindo proteção, um manso jumento que não tinha a menor idéia do que fazer com ela além de admirá-la, às vezes até um pangaré que à distância parecia mais do que era.Ela suspirava e olhava em volta, perguntando ao vento onde Ele estava, antes de partir mais uma vez num caminho só. O vento jamais lhe respondera.

    Tudo isso a tornara arisca. Exposta a muitos perigos sozinha, algumas vezes tomada de assalto e largada na beira da estrada quebrada e ferida, ela se erguia, uma vez e mais uma vez e mais uma outra ainda, para com um suspiro cansado voltar a carregar seus tesouros e suas chagas na esperança de poder depositá-los um dia, aliviada, aos pés dEle. Como ela percebia intensa a cura de saber que a grande distância que a levaria até Ele seria a mesma, até menor que o caminho que Ele percorrera. Que felicidade seria passear pela primeira vez nos amplos salões de uma vida que não foi projetada a dois, mas que foi preparada para este encontro. Óleos perfumados, presentes mútuos, jardins murados e alcovas secretas, tudo há muito guardado para este momento. Ela cobiçava, andava e meio impaciente esperava.

    Aos poucos a impaciência virava serenidade, a cobiça virava contemplação, e ela percebia que não, apesar de ser preciosa, a companhia não era a coisa mais preciosa que havia. Havia algo maior.

    Dentro de seu coração sem porteira e sem barreira, dentro de sua alma sem casca e sem proteção, lá no interior de sua morada havia um anjo com espada flamejante protegendo a entrada de um jardim vazio a não ser por um único banco de pedra; pairando sobre este jardim havia um coração em fogo coroado de espinhos que gotejava lentamente um sangue rubro e vivo, que regava uma única rosa rubra e viva que crescia por trás do banco, no meio de um imenso arbusto de espinhos. Ela senta no banco de pedra, finalmente entronizada em si mesma e n’Aquele que realmente importava mais que sua altivez, que sua força, que sua liberdade. Vagarosamente o arbusto de espinhos cresce e toma conta de todo o jardim, dificultando até mesmo a visão do anjo lá fora.

    Ao deitar no banco de pedra surpreendentemente confortável e acolhedor, e adormecer junto à sua rosa rubra, presente do grande coração de seu Mestre e verdadeiro amor de sua vida, ela suspira baixinho: Senhor, fico convosco; se Ele ainda vem, então que me busque aqui.

  • Alegria Profunda

    Date: 2010.10.10 | Category: alegria, amor, mãe, pai | Response: 3

    Tem uns dias já que eu tenho pensado e falado muito dos meus pais. Tanto um quanto o outro foi embora deste mundo confuso, minha mãe há quase 25 anos, meu pai há quase quatro. Aqui no blog já falei deles umas tantas vezes, sempre com muito carinho, orgulho e saudade. Acho que falta, a esta mistura, falar deles também com alegria e gratidão. Mas é difícil encontrar as palavras certas…

    Afinal de contas, como se agradece aos pais aquele olhar rápido, mas cheio de orgulho, que nos dá esta força interna para resistir às trombadas da vida? Como eu digo a minha mãe que AQUELE colo, NAQUELE momento, me sustenta até hoje?  Como eu digo a meu pai que só a presença dele me tornava capaz de enfretar e matar qualquer dragão? Que apenas pensar nele ainda me dá esta força? Mesmo que estivessem aqui, acho que eles ficariam surpresos e até meio encabulados, nem se lembrariam destes momentos que me marcaram, porque o amor e a aceitação deles era um pano de fundo em que nenhum de nós prestava muita atenção, apenas estava lá.

    Só que, nestes tempos de pais que jogam os filhos pela janela e filhos que matam pais a porretadas, eu me vejo como alguém que ganhou uma loteria existencial, que tirou a sorte grande, e nem sabia. Porque para mim, até pouco tempo atrás, este tesouro que herdei de meus pais era apenas a vida normal de uma família… família é assim mesmo, não é?

    Não, infelizmente não é. Hoje eu velo com alegria profunda, veneração e até um pouco de espanto esta maravilha que Deus me deu… um pai amigo, valente e sorridente, uma mãe amorosa e atenta, todos dois com o riso solto e o carinho fácil. Nossa! Eu mereço mesmo isso? Como faço para agradecer?  As palavras, mesmo que eu escrevesse aqui por horas e horas mais, não seriam suficientes nem capazes de passar a vocês o que eu sinto por meus pais. Mas o pessoal do Secret Garden conseguiu, nesta música.

    Neste Domingo branco e quieto, no sossego do meu quarto, eu queria dar a meus pais este presente.  Porque eles realmente me sustentam e me elevam, hoje e sempre.

    When I am down and, oh my soul, so weary;
    When troubles come and my heart burdened be;
    Then I am still and wait here in the silence,
    Until you come and sit awhile with me.

    You raise me up so I can stand on mountains;
    You raise me up to walk on stormy seas;
    I am strong when I am on your shoulders;
    You raise me up to more than I can be.

    You raise me up so I can stand on mountains;
    You raise me up to walk on stormy seas;
    I am strong when I am on your shoulders;
    You raise me up to more than I can be.

    There is no life, no life without its hunger;
    Each restless heart beats so imperfectly;
    But when you come and I am filled with wonder,
    Sometimes I think I glimpse eternity.

    You raise me up so I can stand on mountains;
    You raise me up to walk on stormy seas;
    I am strong when I am on your shoulders;
    You raise me up to more than I can be.

    You raise me up so I can stand on mountains;
    You raise me up to walk on stormy seas;
    I am strong when I am on your shoulders;
    You raise me up to more than I can be.

  • Para um anjo que me deu um anjo, em seu aniversário

    Date: 2009.09.09 | Category: Alex Cabedo, amizade, amor, Asas de Borboleta, encantamento | Response: 2

    Photobucket

    Querida Carolina

    Se eu pudesse, juntava muitas e muitas conchinhas do mar, das mais belas. construía, na beira da praia mais bonita do planeta, um castelo de madrepérola com caminhos de cristal e lindos aquários com os mais coloridos peixes do mar. No jardim colocava as flores mais perfumadas, aquelas que atraem mais borboletas e beija-flores. Mobiliava com os móveis mais macios bonitos e alegres que encontrasse, e presenteava você com tudo isso, você que é a minha eterna sereia a nadar em Cabo Verde.

    Queria juntar todas as coisas mais doces e queridas – mais ‘bacanas’ como falamos aqui no Brasil – e doá-las a você uma a uma, a cada aniversário seu que passarmos juntas de coração (espero que sejam muitos!).

    Já que você foi mais rápida e me mandou um presente antes que eu pudesse mandar o seu, fica este post como presente virtual, até que o seu presente de verdade chegue pelo correio.

    Titi Sue ama você muito!

    Feliz nove do nove de dois mil e nove!!

  • Coração Constelação

    Date: 2009.03.16 | Category: Alex Cabedo, amizade, amor, esperança, espírito | Response: 0

    Photobucket

    Pensando, pensando… em como há seis anos atrás, na madrugada do dia 15 para o dia 16 de março nasceu uma estrela linda, linda, que brilha rubra até hoje. Estrela mansa, estrela sorriso, estrela amiga, benfazeja.

    Brilha sempre, amigo estrela de coração constelação. Teu caminho de luz já está traçado. Nunca deixe de brilhar para que possamos usar teu brilho como guia na nossa jornada. Um dia chegaremos até você, e que lindo dia este vai ser!

    Te amo, agora como antes e para sempre.

    Beijo da tua Butterfly

  • Anjo

    Date: 2008.10.22 | Category: amor, encantamento, minerin-candango, saudade, vida interior | Response: 0

    Acordar com sua voz no meu ouvido, ainda no quentinho da noite anterior, é muito bom. Sentir que sua saudade e a minha são irmãs é consolador. Saber que meu silêncio incomoda você tanto quanto o seu me incomoda é revelador. Foi delicioso, amado, sentir a sua presença. Tive até mesmo força para enfrentar o resto do dia.

    Tenho tido dificuldade em escrever, sempre me perguntando até onde eu devo expor tanto sentimento em espera, mas hoje descobri – tão surpresa – que mesmo meu reservado amado precisa às vezes se expressar. Eu, que vivo e me alimento de me comunicar, decidi parar de travar o que está precisando tanto de voz.

    Eu amo você. Você está longe, tem seu trabalho para fazer tanto quanto eu tenho o meu. Não importa. Seu nome sai quase imperceptível, baixinho, mas muito doce de meus lábios, e eu paro um instante de trabalhar para olhar pela janela o sabiá pousado na goiabeira e pensar em você. Os passarinhos todos consumindo as frutas das quais eu abdiquei em troca da alegria alada de todas as tardes. A visita do beija-flor que fez morada no forro do telhado e gosta de me observar na minha mesa de trabalho. Aí meu coração alça seu proprio vôo e pousa leve sobre o ombro onde eu desejo tanto encostar a cabeça. De alguma forma que não sei explicar, você está aqui da mesma forma que eu estou aí. Tão longe, meu amor, mas tão dentro de mim.

    Estamos cercados de anjos, meu Joaquim. Alguns até dizem que somos anjos. Seus colegas o chamam de anjo protetor, você mesmo diz que eu sou o SEU anjo. Já sei bem sabido que tenho dois anjos que me amam profundamente, que me deram a vida enquanto estavam aqui nesta terra, e que tenho a certeza desejam a nossa felicidade. São Miguel Arcanjo, guerreiro, protege com sua espada sua luta e a minha.

    Há a luta, há este enorme campo de batalha que chamam de Mundo. Podemos, eu e você, enfrentar tudo isto todos os dias. Sobrevivemos e crescemos, é certo. Mas há também o descanso e a doçura, e a isto também temos direito. Acima de tudo, temos direito ao nosso amor. Que este seja nosso anjo, o mais forte e o mais presente.

    Angel – Sarah McLachlan

    Spend all your time waiting for that second chance
    For the break that will make it OK
    There’s always some reason to feel not good enough
    And it’s hard at the end of the day
    I need some distraction or a beautiful release
    Memories seep from my veins
    Let me be empty and weightless and maybe
    I’ll find some peace tonight

    In the arms of the Angel fly away from here
    From this dark, cold hotel room, and the endlessness that you fear
    You are pulled from the wreckage of your silent reverie
    You’re in the arms of the Angel; may you find some comfort here

    So tired of the straight line, and everywhere you turn
    There’s vultures and thieves at your back
    The storm keeps on twisting, you keep on building the lies
    That you make up for all that you lack
    It don’t make no difference, escaping one last time
    It’s easier to believe
    In this sweet madness, oh this glorious sadness
    That brings me to my knees

    In the arms of the Angel fly away from here
    From this dark, cold hotel room, and the endlessness that you fear
    You are pulled from the wreckage of your silent reverie
    In the arms of the Angel; may you find some comfort here

    You’re in the arms of the Angel; may you find some comfort here

  • Oração para Enrico

    Date: 2008.09.14 | Category: amizade, amor, esperança, espírito, vida interior | Response: 0

    Como eu estava dizendo, há pessoas que amo muito e que estão longe demais de mim. Uma família pernambucana muito especial, que eu amo muitíssimo e há muito tempo, está em Palmas, lá em cima no limite entre o Centro-Oeste e o Norte do meu país. A família é composta de papai, mamãe e um filhinho lindo chamado Enrico. Enrico tem cinco anos, e fez neste mês de setembro, na sua escola, uma tarefa especial.

    A tarefa era meditar sobre o amor com sua família, pensar e compor sua oração particular sobre o amor. Depois de composta, Enrico devia ilustrá-la. A mamãe de Enrico compartilhou comigo esta linda oração e eu a quis compartilhar com vocês. O resultado está abaixo, na ilustração. Para quem tem dificuldade em ler letrinha de criança, transcrevo a oração de Enrico:

    Papai do Céu tem um coração que é verdadeiro e que deu para mim e para todas as pessoas que eu conheço e amo.

    Papai do Céu, eu te amo muito por ter dado coração verdadeiro.

    E é verdade, pelo menos no caso do Enrico. Deus deu a ele – e é tão visível já tão cedo – um coração cheio de amor verdadeiro. Ele tem a força da mãe e a gentileza do pai, com uma sensibilidade e esperteza que são só suas, para sustentar este coração verdadeiro. Enrico me fez meditar sobre o coração verdadeiro, e eu quis de minha parte fazer também uma oração, dedicada a ele. Vamos lá:

    Querido Jesus,

    Sei que foi o Teu Coração Verdadeiro que me pôs em contato com Enrico e o deu a mim como sobrinho querido. Peço agora, movida pelo mais puro amor de que sou capaz, que proteja sob Teu manto este pequeno e lindo Coração Verdadeiro que criaste à Tua imagem e semelhança.

    Sei também, Mestre amado, que corações verdadeiros muitas vezes vêm a este mundo para realizar as tarefas mais difíceis e penosas, aquelas que só mesmo quem muito ama é capaz de realizar. Como foi Tu mesmo que nos ensinastes, Jesus, que não há amor maior que dar a vida por um amigo, peço para mim o peso e a dificuldade que possas ter reservado para este menino. Gostaria, se fosse de Tua vontade, que o mantivesses feliz, puro, inocente e verdadeiro, um verdadeiro consolo e fonte de alegria para outros corações verdadeiros aqui embaixo.

    É em Teu Sagrado Nome que eu peço, Senhor, e desde já agradeço a Tua bondade e misericórdia.

    Assim seja.

    Photobucket

  • Espasmos

    Date: 2008.07.27 | Category: amor, luta, minerin-candango, pai, saudade, vida interior | Response: 0

    Órfã na Janela – A.Prado

    Estou com saudade de Deus,
    uma saudade tão funda que me seca.
    Estou como palha e nada me conforta.
    O amor hoje está tão pobre, tem gripe,
    meu hálito não está para salões.
    Fico em casa esperando Deus,
    cavacando a unha, fungando meu nariz choroso,
    querendo um pôster dele no meu quarto,
    gostando igual antigamente
    da palavra crepúsculo.
    Que o mundo é desterro eu toda vida soube.
    Quando o sol vai-se embora é pra casa de Deus que vai,
    pra casa onde está meu pai.

    Hoje não é um daqueles dias em que, sossegada, penso belezuras para escrever aqui. Esta semana foi de montanha-russa emocional, intensa, furiosa. Hoje estou em espasmos, o pensamento aqui e ali, oscilante, nervoso.

    Hoje me pergunto o porquê do mundo ser tão grande, e invariavelmente parecer que as pessoas que me trariam alegria estão do outro lado dele. As doçuras que estas pessoas me ofertam chegam aqui diluídas, fracas, com prazo de validade vencido. Não é um dia de bonitezas, é dia de rosnar, ranger de dentes e silêncios desconfortáveis. Não quero mesmo conversar com as pessoas à minha volta, centrada que estou naquelas que não estão aqui.

    Estou estranha, conflito ambulante, sapato apertado. Alterno entre a vontade de virar a mesa posta do almoço e fotografar os desenhos que o arroz colorido fizesse no chão. A energia contida queria se expressar em meia dúzia de copos jogados com força na parede, e o lirismo queria fazer um véu luminoso para os cabelos com os cacos de vidro.

    Hoje eu simplesmente não me conformo. Hoje é bater a cabeça na parede e sentir na testa a dor da saudade. É sentir no fundo da garganta o amargo do desejo não saciado. Tudo o que vejo me mostra um buraco, só enxergo o que não está ali. Mineira como ele é mineiro, calada como ele é calado, hoje a única poesia que me serve é a poesia seca e altiva de Adélia Prado.

    Corridinho – A.Prado

    O amor quer abraçar e não pode.
    A multidão em volta,
    com seus olhos cediços,
    põe caco de vidro no muro
    para o amor desistir.
    O amor usa o correio,
    o correio trapaceia,
    a carta não chega,
    o amor fica sem saber se é ou não é.
    O amor pega o cavalo,
    desembarca do trem,
    chega na porta cansado
    de tanto caminhar a pé.
    Fala a palavra açucena,
    pede água, bebe café,
    dorme na sua presença,
    chupa bala de hortelâ.
    Tudo manha, truque, engenho:
    é descuidar o amor te pega,
    te come, te molha todo.
    Mas água o amor não é.

Tópicos recentes

Comentários

Arquivos

Categorias

Meta