Archive for outubro, 2003

  • Devaneios

    Date: 2003.10.01 | Category: alegria, amizade | Response: 0

    Este final de semana transformei mais um amigo virtual em amigo real. Recebi este visitante com o carinho de quem espera coisas boas, e fui recompensada com coisas ainda melhores. Esperava boa educação, bom papo, passeios agradáveis. Pois tive tudo isto e, além disto, um vislumbre de um coração nobre e de uma mente limpidamente inteligente.

    Esta busca da concretização é que me traz a este blog. Desde o princípio, eu queria contato com pessoas reais e do quilate desta que conheci no sábado. Queria encontrar meus semelhantes, num mundo que parecia ser apenas de diferentes. Conheci mais que semelhantes: aumentei minha família com novos irmãos e irmãs, e até um filho; tive contato com os melhores exemplos; aprendi muito com pessoas mais talentosas que eu.

    Uma das coisas interessantes que descobri é que meu coração tem um quinhão dele firmemente plantado em Portugal. Tenho, é claro, como a maioria das pessoas nascidas neste país, ancestrais de origem portuguesa. Meu idioma e muito dos meus hábitos são provenientes deste país. Mas o que me fez descobrir que amo Portugal não foi isto.

    Joaquim Nabuco, escritor brasileiro, certa feita disse que, para ele, Portugal “tinha sete maravilhas como nenhuma outra nação possui e eu falo só do que vi: Os Lusíadas, a entrada do Tejo, a Torre de Belém, os Jerônimos, Sintra, o Vinho do Porto e a colônia portuguesa do Brasil”. Destas sete maravilhas conheço apenas os Lusíadas, o Vinho do Porto e a colônia portuguesa no Brasil, mas a estas queria adicionar mais duas maravilhas: a música e o povo português.

    Do povo português, queria salientar dois representantes que significam muito para mim. Jorge, o que me batizou borboleta, e Luis, que nutre minha alma com o pólem dos jasmims de suas pequenas histórias. A estes dois portugueses todo o meu amor. Mesmo.

    Da música portuguesa, Madredeus.

    Céu da Mouraria

    Letra e música de Pedro Ayres Magalhães

    Quando Lisboa acordar

    Do sono antigo que é seu,

    Hei-de ser eu a cantar,

    Que eu tenho um recado só meu.

    Céu da Mouraria… ouve,

    Vai chegar o dia novo!

    E o sol, das madrugadas todas,

    Névoa de um povo a sonhar,

    Os teus mistérios, Lisboa,

    São, as pombas que ainda há…

Posts recentes

Comentários

Arquivos

Categorias

Meta