Archive for setembro, 2007

  • O andar da carruagem

    Date: 2007.09.30 | Category: alegria, amor, esperança, vida interior | Response: 0

    Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

    Há mais de três anos eu o convidei para dançar, antes que ele estivesse preparado para dizer sim, e a dança não aconteceu. Deixei-o livre, ele retornou à minha vida meses atrás, diferente. Mais próximo de um outro jeito. A dança continuou sem acontecer. Continuei a deixá-lo livre, bicho solto que é.

    Hoje me despedi dele mais uma vez, numa cidade mais perto do céu que a minha. Hoje – e eu digo isto feliz e tranquila – sou a “menina sua amiga”, e pretendo usufruir o quanto puder deste amor que não vai embora que é a amizade. Deixando-o livre, sempre, cada vez mais livre – e mais confortável, espero.

    Só que a música continua tocando em meu coração, meu amigo. Algum dia vamos fazer jus a ela e finalmente dançar? Ainda acho que vai ser uma coisa linda para lembrarmos (e lembrarmo-nos), tanto quanto tem sido lindo imaginar.

    E, hoje, este é o andar da carruagem.

  • Assim caminha a humanidade

    Date: 2007.09.25 | Category: alegria, amor, animais, saudade | Response: 0

    Ou o mundo fica cada dia mais maluco ou sou eu que me perco nele, por pura incompetência cognitiva. Entretanto, há momentos que meus amigos correm em meu socorro e iluminam a coisa um pouco para mim.

    Um destes momentos iluminados acabei de receber lendo o Agonizando 2 do meu amigo Evandro Ferreira (link na coluna da direita – eu disse DIREITA, Evandro! risos). Vejam só esse texto. No blog dele tem ainda o FILME, que é um ensaio filosófico profundo. Só mesmo um pensador como o Evandro podia me sair com um post destes.

    Amigo, saudades. Entregue à sua mais linda namorada e à sua cachorrinha mais amada beijos meus. Logo estaremos juntos novamente, viu?

    Leitores do Asa: leiam, vejam, aprendam.

    “Conhecimento e fofura September 15, 2007

    A vida é uma coisa interessante.

    Hoje me peguei subindo o elevador. No chão, um contêiner com minha cadelinha. Em uma das mãos, uma mantinha xadrez, laranja e branca. Sobre a mantinha, um livro de filosofia política de Eric Voegelin. Na outra mão, o Pipi Dolly’s dela.”

  • Date: 2007.09.18 | Category: amor, esperança, minerin-candango, saudade | Response: 0

    Não tendo você aqui

    Não tendo você aqui, janto no sofá, sem luzes,
    Olhando a noite andar lentamente pela janela.
    Não tendo seu olhar sobre mim,
    Não tenho vontade de sorrir e a boca mantém-se cerrada.
    Sem seu ouvido atento, que adianta falar?
    Permaneço em silêncio.
    Sem sua mão para segurar,
    A minha permanece espalmada, pedinte, indigente.
    Sem seu corpo para me ninar,
    Permaneço insone até que o cansaço me feche os olhos.

    Aguardar é duro, amado, quando tudo que olho em volta
    Me lembra sua presença ou sua ausência.
    A saudade do que nunca tive virou saudade, apenas.
    Meu coração bate em tempo com as sílabas do seu nome.

    Cole Porter faz cada vez mais sentido…
    Não tendo você aqui,
    É com ele que durmo hoje à noite.

    Night and Day

    Like the beat beat beat of the tom-tom
    When the jungle shadows fall
    Like the tick tick tock of the stately clock
    As it stands against the wall

    Like the drip drip drip of the raindrops
    When the Summer shower is through
    So a voice within me keeps repeating
    You, you, you

    Night and day, you are the one
    Only you beneath the Moon or under the Sun
    Whether near to me, or far
    It’s no matter darling where you are
    I think of you
    Day and night, night and day, why is it so

    That this longing for you follows wherever I go
    In the roaring traffic’s boom
    In the silence of my lonely room
    I think of you
    Day and night, night and day

    Under the hide of me
    There’s an oh such a hungry yearning burning inside of me
    And this torment won’t be through
    Until you let me spend my life making love to you
    Day and night, night and day

  • Date: 2007.09.11 | Category: amor, encantamento, minerin-candango, vida interior | Response: 0

    Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

    Explosão de Alma

    Assim é o Ipê: na seca, guarda todas as suas reservas, diminui o tamanho da sua copa folhada, se acomoda para a longa espera da chuva. Resiste o máximo que pode, mas como neste Planalto Central a chuva parece que nunca vai chegar, o Ipê finalmente explode. Explode em flor.

    A vitória do Ipê sobre a rudeza do clima colore toda a cidade de Brasília de roxo, amarelo e branco. O chão fica todo salpicado de cor, a festa para os olhos é completa.

    Pois tem gente que é como o Ipê. Quando os problemas parecem que vão os soterrar, explodem em uma beleza de alma que ilumina todos à sua volta. Eu mesma conheço um homem assim, um homem Ipê-Roxo, que resiste às condições emocionais mais áridas e ainda acha meios de ajudar e prestar socorro a quem o procurar.

    Ah, meu mineirin-candango de alma em flor, que posso dizer de você? Esse seu olhar profundo como as raízes das árvores do cerrado por certo que me acende inteira por dentro. É muito claro para mim que não há riqueza no mundo que valha um sorriso seu. Sempre me surpreendo com a alegria intensa que sinto com o mero fato de sentar a seu lado e segurar sua mão, é uma alegria como poucas vezes senti.

    Não posso e não devo dizer muito mais que isto, mas antes de encerrar este post devo confessar: barbudo querido, mais além de te amar, te admiro cada vez mais. Volto para o Rio com o coração pleno de muitas coisas e espero que, até que possamos nos ver novamente, cuide bem de si.

  • Date: 2007.09.07 | Category: amor, Asas de Borboleta, encantamento, esperança | Response: 0

    Resumindo a ópera

    Se eu fosse escrever tudo que me aconteceu e tudo que senti esta semana, este post ficaria desconexo e muito denso. Fui fazendo, nos ônibus que me levavam, um de Brasília a Goiânia e outro de volta a Brasília, umas poesias de minuto, uns versinhos pernetas que espero me ajudem a expressar minimamente tudo o que eu vou deixar pendurado nas entrelinhas.

    Ventania

    Quem já encontrou Cristiana
    Sabe bem que ela não engana
    Conhece sua gargalhada profana
    Sorriso rápido, cigarro aceso,
    Cabelo solto, cabelo preso
    Corre e senta, sobe e desce
    Parece que nunca amadurece
    Dela a gente nunca esquece!

    Fofura

    Soriso doce de amigo para toda vida
    Olhar inteligente e amoroso de poeta
    Voz calma e alegre de menino
    Caminha nesta vida sem destino
    Porque seu destino, menino, é a Vida
    É vagar por este mundo, quem diria,
    De mãos dadas, em eterna harmonia
    Com a mais bela namorada
    E a cachorrinha mais amada!

    O nome da Rosa

    A gentileza é doce e macia, mas não tem pétalas tão delicadas
    A amizade é rica, mas não tem cores tão belas
    O carinho é um sentimento quente, mas sem tantos rubros matizes
    Ela é como o desdobrar de vários lábios carmins, que me sorriem felizes
    Qual é, afinal, o nome desta rosa, que ganhei da amiga deusa?
    Será Maria, será Carmem, será Edileusa?
    Que amorizade tão grande se desdobra em tanta beleza?

    Zig-Zag

    A vida me faz ir para lá
    Ele vai imediatamente para cá
    Eu falo, ele não consegue ouvir
    Eu amo, ele não tem como retribuir
    Alguma hora, entretanto,
    Num breve e doce intervalo
    Haverá algum encontro?
    Finalmente me regalo?

  • Date: 2007.09.05 | Category: amor, Asas de Borboleta, encantamento, esperança, minerin-candango | Response: 0

    Passeio em Brasília entre céu imenso e amigos especiais. Revejo lugares de infância e conheço pessoas novas. Amor, carinho, amizade… tenho muito disto tudo, para dar e para receber. Está aqui, envolto em Asas de Borboleta, e está logo ali, em minhas mãos.

    Tenho estado estes dias chafurdando numa felicidade calma, que para ser completa precisa apenas tirar a tristeza de um coração especial, que mais que os outros desperta meu amor, meu carinho, minha amizade. Enquanto a felicidade não é completa, digo que ela é doce. Uma agridoce espera, amado.

    Estou muito feliz com os comentários dos novos e antigos visitantes do Asa, especialmente encantada com a graciosa mensagem-poema do Marcio Estanqueiro. Amigos, novos e velhos, vocês me fazem muito bem. Beijos a todos, sempre

Tópicos recentes

Comentários

Arquivos

Categorias

Meta