Archive for fevereiro, 2008

  • Meditações

    Date: 2008.02.17 | Category: espírito | Response: 0

    Eu fiquei com uma frase do post anterior perturbando, depois que o publiquei. É verdade que meus textos só são o que se chama de literários por acaso, porque o objetivo deste blog NÃO É nem nunca foi fazer literatura. Já disse que este blog é meu coração, um farol que chama para perto de mim pessoas que sentem parecido, ou que precisam de alguma forma do tipo de visão de vida que tenho.

    Mas não é só por isso que me incomoda a idéia de considerarem meu blog “literário”, e eu descobri o que era relendo as crônicas do Nelson Rodrigues em seu livro “O Reacionário”. Não sou “inteligentíssima”, sou uma mulher de meia idade que sente e gosta de descrever e meditar sobre seus sentimentos em texto. Poderia falar horas sobre as muitas mensagens que esta crônica especificamente deixou para eu refletir, mas basta uma por hoje: não me considero nem madura o suficiente nem com texto o suficiente para me aventurar na literatura, pelo menos não ainda.

    Prezo demais os escritores e suas obras para fazer isto de me comparar e eles ou me sentir parte de seu mundo, a não ser da forma mais periférica. INFELIZMENTE, há gente que não respeita os autores desta forma, como o próprio dramaturgo nos conta. Deixo este trechinho para a meditação de vocês, tenham todos uma bom início de semana, finalmente sem o tal horário de verão.

    “Hoje, o sujeito vai ver uma peça e tem vontade de pedir como o Hélio Pellegrino: – ‘Seja burro, meu amigo, seja burro!’. Não falo por ouvir dizer. Nos últimos tempos, tenho sofrido, na carne e na alma, experiências trágicas. As minhas peças Viúva porém honesta, Os sete gatinhos (a última virgem) e por fim O beijo no asfalto foram encenadas e todas por diretores inteligentíssimos.

    Notem: – inteligentíssimos. E foi o mal, o grande mal. E há uma coincidência: – todos diretores paulistas. Por isso quero crer que, hoje, o teatro mais inteligente do Brasil é o de São Paulo. Há, nos palcos de lá, uma rapaziada feroz que reescreve qualquer texto. Que faça isso comigo, vá lá. Quem sou eu, senão um autor modesto, de uma bem-intencionada mediocridade? Portanto, é talvez justo que um diretor paulista sapateie em cima dos meus textos como uma bailarina espanhola. Mas ele fará o mesmo com Sófocles, Shakespeare, Ibsen, etc. etc.

    (…)Em suma: – querem assassinar a palavra, e a pauladas, como se ela fosse uma gata prenha. Portanto não existe mais um único e escasso grego, não existe mais um único e escasso Shakespeare, não existe mais ninguém. Quem existe é a rapaziada de São Paulo. Vamos admitir que o teatro existe desde que se esboçou o primeiro gesto humano ou o homem disse a sua primeira palavra. Portanto, é essa tradição de 1 milhão de anos que os diretores paulistanos estão liquidando. é como se alguém afastasse com o lado do pé uma barata seca.

    Se o jovem diretor não fosse inteligente, preservaria o texto, e seria fidelíssimo ao texto. E então o público veria O beijo no asfalto, e veria Nelson Rodrigues. Desgraçadamente, estamos diante da inteligência. De intérpretes inteligentíssimos. De contra-regras inteligentíssimos. De bilheteiros inteligentíssimos. Todos estão autorizados a improvisar. Por enquanto, sou eu. Mas quando for um Shakespeare? Façam idéia de um Otelo em arrancos triunfais de cachorro atropelado; e vociferando: – ‘Vou-te às fuças!’. Mas esta paródia já fazia Dercy, há trinta anos, com seu maravilhoso histrionismo.

    E cabe uma dúvida: – querem acabar com a palavra. Mas acabar com o que não existe? o teatro brasileiro não chegou à sua palavra, não inventou a sua língua. Está certo que o francês faça algo parecido. Já realizou infinitas variações com a sua música verbal. A prosa francesa pensa pelos seus autores e faz os seus autores. Escrevendo aqui, na pobre língua que não temos, Valéry seria talvez nosso J.G. de Araújo Jorge. Primeiro, vamos fazer a nossa Palavra para assassiná-la, depois, com rútilas patadas.” (crônica publicada no jornal O Globo em 17/01/1970, republicada em O Reacionário, páginas 125/126, Ed. Companhia das Letras, 2002, São Paulo)

  • Para Falar de Vida

    Date: 2008.02.12 | Category: esperança, espírito, luta, vida interior | Response: 0

    Depois de quase dois meses de ausência – que foram dois meses em que minha alma entrou em reunião a portas fechadas com minha mente e coração para analisar tudo o que já vivi nestes 43 anos de vida completos dia 12 de janeiro – estou de volta a esta minha casa na Net. Este é cantinho onde a Sue se comunica com aquelas pessoas que escolhem vir aqui e ler tudo que eu escrevo, seja lírico ou seja tolo, seja amoroso ou triste. Porque “literário” não é, nunca de propósito. As pessoas que quero aqui, comunicando comigo, são as pessoas com as que já me disseram: “eu penso e sinto também assim” ou “você colocou em palavras o que eu sentia mas não conseguia expressar” (este é o meu elogio favorito dentre todos). Pessoas, enfim, que tenham uma ressonância de espírito comigo.

    Eu, no post anterior, desejo feliz aniversário à minha mami, que já partiu desta vida faz quase 22 anos. Porque eu sei que a vida é mais e maior que o que aquilo que vemos aqui, e a partida é apenas um novo começo. Afinal de contas, este peixinho na coluna da direita não significa uma homenagem a meu bisavô pescador… mas simboliza meu relacionamento e irmandande com alguns ajudantes do sucessor do primeiro Pescador de Homens, que me levaram pela mão até o regaço de Jesus e de sua Mãe Santíssima, de onde aprendi a louvar a Vida.

    Tenho alguns amigos na rede que também aprenderam sobre a Vida nestes regaços, beberam da mesma fonte que eu, e um em especial tem uma maravilhosa forma de celebrar a defender a Vida: meu amigo jornalista Marcio Campos. eu já declarei em público um dia que ele é um bilhete premiado de loteria, hoje me declaro fanzoca assumida. Ele está fazendo um trabalho inteligente, espirituoso tanto quanto espiritual – e além de tudo muito importante -, a respeito da forma com que a Mídia tenta criticar aqueles que celebram a Vida. Força, Marcio, posso colaborar com este pequeno link e muitas orações. Você com certeza, com a ajuda do Espírito Santo, dá conta do resto.

    Com vocês o “Pai, perdoai-lhes, eles não sabem o que escrevem

Tópicos recentes

Comentários

Arquivos

Categorias

Meta