Archive for outubro, 2009

  • Presente

    Date: 2009.10.12 | Category: Asas de Borboleta, beleza, saudade | Response: 1

    Ganhei de presente de um mais que querido amigo esta linda animação de um trecho da ópera Madama Butterfly de Puccini. Confiança de Cio-Cio-San no retorno de seu amor, no início do Ato II, como narra a Wikipedia:

    Pinkerton regressou aos Estados Unidos; prometeu, porém, que voltaria “quando os pintarroxos fizerem os seus ninhos.” Já se passaram três anos. Butterfly chora, e Suzuki reza o tempo inteiro, ajoelhada diante da imagem do Buda. Suzuki diz a Butterfly que suspeita que seu marido não voltará mais. “Cala a boca, ou te mato!”, responde Butterfly. Ela chora, mas não perde a esperança: Un bel dì vedremo – um belo dia veremos um fio de fumaça no horizonte – o navio de Pinkerton!

    Momento de eterna beleza, um amor inocente e confiante, ainda não machucado pela realidade sórdida de Pinkerton. Fica de presente para vocês, com um beijo.

    Un bel dì, vedremo
    levarsi un fil di fumo sull’estremo
    confin del mare.
    E poi la nave appare.
    Poi la nave bianca
    entra nel porto, romba il suo saluto.
    Vedi? È venuto!
    Io non gli scendo incontro. Io no. Mi metto
    là sul ciglio del colle e aspetto, e aspetto
    gran tempo e non mi pesa,
    la lunga attesa.
    E… uscito dalla folla cittadina
    un uomo, un picciol punto
    s’avvia per la collina.
    Chi sarà? chi sarà?
    E come sarà giunto
    che dirà? che dirà?
    Chiamerà Butterfly dalla lontana.
    Io senza dar risposta
    me ne starò nascosta
    un po’ per celia e un po’ per non morire
    al primo incontro, ed egli alquanto in pena
    chiamerà, chiamerà:
    Piccina mogliettina
    olezzo di verbena,
    i nomi che mi dava al suo venire.
    [a Suzuki]
    Tutto questo avverrà, te lo prometto.
    Tienti la tua paura, io con sicura
    fede l’aspetto.

  • Beautiful

    Date: 2009.10.10 | Category: Asas de Borboleta, espírito, luta, vida interior | Response: 1

    Tantas e tantas vezes já expliquei aqui o porquê do meu blog chamar Asa de Borboleta e algumas vezes eu mesma me esqueço… A asa da borboleta é o símbolo da sua coragem de Ser, mesmo quando tudo à sua volta parece não querer que ela seja. É o resultado glorioso da metamorfose daquela que se arrasta vagarosamente de barriga no chão, mas decide que PRECISA voar. É fruto de dor, de sofrimento, de um tempo ENORME dentro de um casulo, solitária, com os movimentos restritos. No fim, o tempo de voar é tão curto… mas o vôo é uma sinfonia de louvor Àquele que criou o céu e as flores.

    Pois então… há muita gente, muita mesmo, que pensa que tudo isso é uma besteira sem fim. Pessoas que pensam que o que vale é o dinheiro e o sucesso que você acumula, a sua capacidade de passar por cima do que for – mesmo de outras pessoas – para conseguir o que quer. Estas pessoas, e eu já encontrei algumas delas na Net e pessoalmente, pensam que eu sou uma velha imbecil. Retardada, foi uma das expressões utilizadas. Nos últimos meses estive tão fraca que cheguei a acreditar nelas, a pensar que nada mais tinha para escrever aqui que não fosse triste, velho e imbecil.

    Bem, meus ídolos velhotes, barrigudinhos, carecas, grisalhos e LINDOS do Marillion escreveram há algum tempo uma música que fala maravilhosamente sobre tudo isso, é uma música com Asas de Borboleta. Deixo com vocês a apresentação ao vivo tirada do You Tube com muito amor e com o desejo que vocês que estão por aí lendo o Asa e sentem como eu sinto saibam que são BELOS.

    Aos materialistas, mercantilistas, interesseiros e maus-caráter em geral, bem (tampem os olhinhos das criancinhas, por favor) VÃO À MERDA.

    Estou voltando.

    Beautiful
    music: Marillion
    lyrics: Steve Hogarth & John Helmer

    Everybody knows we live in a world
    Where we give bad names to beautiful things
    Everybody knows we live in a world
    Where we don’t give beautiful things a second glance
    Heaven only knows we live in a world
    Where what we call beautiful is just something on sale
    People laughing behind their hands
    While the fragile and sensitive are given no chance

    And the leaves turn from red to brown
    To be trodden down, to be trodden down
    And the leaves turn from red to brown
    Fall to the ground, fall to the ground

    We don’t have to live in a world
    Where we give bad names to beautiful things
    We should live in a beautiful world
    We should give beautiful a second chance

    And the leaves fall from red to brown
    To be trodden down, to be trodden down
    And the leaves turn green to red to brown
    Fall to the ground and get kicked around

    (Are you) strong enough to be…
    Have you the faith to be…
    (Are you) sad enough to be…
    Honest enough to stay…

    Don’t have to be the same…
    Don’t have to be this way
    C’mon and sign your name
    (Are) you wild enough to remain beautiful?
    Beautiful, beautiful, beautiful.

    And the leaves turn from red to brown
    To be trodden down, trodden down
    And we all fall green to red to brown
    Fall to the ground
    We can turn it around

    (Are you) strong enough to be…
    Why don’t you stand up and say…
    Give yourself a break
    They’ll laugh at you anyway
    So why don’t you stand up and be
    Beautiful, beautiful!

    Black, white, red, gold, and brown (whatever!)
    We’re stuck in this world
    Nowhere to go
    Turn it around
    What are you so afraid of?
    Show us what you’re made of
    Be yourself and be beautiful
    Beautiful

    Essa eu TENHO de traduzir, pedindo desculpas pelo post longo.

    Belo
    música: Marillion
    letras: Steve Hogarth & John Helmer

    Todos sabemos que vivemos num mundo
    Que dá nomes feios a coisas belas
    Todos sabemos que vivemos num mundo
    Onde não damos a coisas belas um segundo olhar
    Deus sabe que vivemos em um mundo
    Onde o que chamamos de belo é o que está à venda
    Pessoas escondem o sorriso com a mão
    Enquanto o frágil e sensível não têm vez

    E as folhas passam de vermelhas a marrons
    Para serem pisoteadas, para serem pisoteadas
    E as folhas passam de vermelhas a marrons
    Caem ao chão, caem ao chão

    Não temos de viver em um mundo
    Que dá nomes feios a coisas belas
    Deveríamos viver em um mundo belo
    Deveríamos dar ao belo uma segunda chance

    E as folhas passam de vermelhas a marrons
    Para serem pisoteadas, para serem pisoteadas
    E as folhas passam de verdes a vermelhas, a marrons
    Caem ao chão e são chutadas em qualquer direção

    Você é forte o suficiente para ser…
    Tem fé suficiente para ser…
    É triste o suficiente para ser…
    Honesto o suficiente para permanecer…

    Não precisa ser mais do mesmo…
    Não precisa ser assim
    Vamos, assine embaixo
    Você é selvagem o suficiente para permanecer belo?
    Belo, belo, belo…

    E as folhas passam de vermelhas a marrons
    Para serem pisoteadas, para serem pisoteadas
    E todos nós passamos de verdes a vermelhos a marrons
    Caimos ao chão,
    Nós podemos mudar isso

    Você é forte o suficiente para ser…
    Porque não se levanta e diz…
    Pegue leve com você
    Eles vão rir de você de qualquer jeito
    Então porque você não se levanta e seja
    Belo! Belo!

    Negro, branco, vermelho, dourado ou marrom
    Estamos presos a este mundo
    Nenhum outro lugar para ir
    Vamos mudar
    De que você tem medo?
    Mostre-nos do que é feito
    Seja você mesmo e seja Belo
    Belo

Posts recentes

Comentários

Arquivos

Categorias

Meta