• Coração Transbordante

    Date: 2003.09.19 | Category: alegria, espírito, vida interior | Tags:

    Estive longe daqui… estive longe das eternas bicadas da Internet, longe das guerras de egos e de vaidades, de agressões sem sentido, do leva-e-traz, do toma-lá-dá-cá. Estava envolta na mais gostosa troca de afetos, na mais profunda vivência da caridade e do amor ao próximo, num ambiente cheio de riso e de lágrimas de emoção.

    Voltei para casa cheia de luz. E eis que a Internet não está nem um pouco diferente do que estava quando saí, muito pelo contrário, parece que as coisas estão vagarosamente a se polarizar cada vez mais. Só tem um detalhe: voltei eu diferente.

    Já escutei algumas vezes – de inimigos – que sou retardada, falsa, má cristã, desequilibrada, gorda e absolutamente sem valor. Já escutei muitas vezes – de amigos – que sou amorosa, sensível, amiga verdadeira, espiritualmente madura e muito bonita.

    Examinando cuidadosamente as pessoas das duas listas, e fazendo os devidos descontos – devido ao amor dos amigos e ao ódio dos inimigos, que toldam o olhar para lados diferentes de mim – devo dizer que as ofensas daqueles que fazem parte da primeira lista e os elogios daqueles da segunda se aliam para me deixar em paz comigo mesma. Estou muito satisfeita em ter os amigos e os inimigos que tenho. Não gostaria jamais que eles trocassem de lugar.

    Sem desejar mal algum aos meus detratores, e desejando todo o bem do mundo a meus amores, aviso a todos que me calo. Vou conversar com os amigos nas visitas a seus blogs; vou mandar mensagens às pessoas que gosto; vou ser carinhosa e melosa o quanto me aprouver. Amar me faz um bem danado. Àqueles que se comprazem em me ver agitada, irritada ou infeliz, digo apenas que sinto muito. Estou ocupadíssima e não tenho tempo para vocês.

    O coração transborda, a vida chama, a alegria permeia, o céu está de um azul tão intenso que me obriga a deixar o computador e olhar a janela. E cada um de nós tem de arcar com o peso das suas escolhas. As minhas, garanto, pesam muito pouco. O que não deixa se de ser um alívio, já que meus detratores afirmam que peso 150 quilos. Hehehehe. Não vou dizer a meus leitores que não me conhecem o suficiente se isto é verdade ou não. Quem me conhece sabe quanto peso. Minha consciência, no entanto, está leve como uma pluma. Me pergunto se é algum tipo de lei da compensação, porque se é, alguns magrelas que conheço estão sofrendo na hora de dormir…

    De qualquer modo, a vida decide.