• Outonos

    Date: 2004.02.07 | Category: alegria, amizade, luta | Tags:

    Pois é. Voltamos. Houve momentos em que eu pensei que isto não aconteceria. Houve momentos em que duvidei jamais ser capaz de escrever uma única palavra. Mas a graça dos momentos é justamente que eles passam. então estes momentos de dúvida, de dor e de branco passaram.

    O que nunca passou foi a firme convicção que minha parceria com o Evandro foi feita no Céu, isso nunca. Evandro é uma pessoa como eu nunca conheci antes, um jovem — com cara e hábitos de jovem, com sua menina Henrie sempre coladinha a ele — com um olhar manso e sábio. Ponderado. Amigo como poucos. Companheiro para tudo e para qualquer hora. Cavalheiro de nobre estirpe, bem educado, cortês. Eu já disse a ele mais de uma vez que ele não existe. Fico mesmo convencida de que ele não passa de um delírio meu.

    Mas aí ele solta a risada alegre dele e me mostra fotos das cadelinhas fofas que moram em Brasília com seus pais — as famosas Repolhudas — e vai para cozinha fritar um bife delicioso para acompanhar a massa que fiz, e me chama para jogar Worms com ele. E então eu vejo que é tudo forte, real, colorido e muito, muito bom.

    E ele escreve um texto que fala de folhas que são levadas pelo vento até a curva dos tempos, e eu me convenço que tendo ele como parceiro eu enfrento qualquer inverno. Observando o sorriso quieto da linda menina Henrie por trás do sorriso mais aberto de meu amigo, eu vejo a força que têm o amor e a amizade. “Do amor não se foge”, disse meu amigo em seu blog Agonizando, e eu completo, “nem da amizade, nem do trabalho por fazer”.

    Juntos, nós conseguimos.

    Ara, vortemo, uai!