• Date: 2004.03.23 | Category: amor, mãe, vida interior | Tags:

    Sonho

    Mãe, você sabe o quanto é raro que você me visite em sonhos. Nestes dezoito anos que está longe, quatro ou cinco vezes eu tive a alegria deste encontro. Foi uma agradável e significativa surpresa que você viesse me visitar justo agora. Para meu espanto, estavam todos lá: seus amigos, meus “tios” e “tias” da infância, reunidos em algo que pareceria uma cerimônia de adeus, se ao menos não fosse tão alegre.

    Pois cá estava eu, organizando tudo – e não é sempre essa minha função, mãe? – e nada da esperada doentinha chegar. Porque no sonho você vinha do hospital, mãezinha, e eu sabia que era apenas uma breve visita. Ainda assim, o clima de alegria e expectativa permanecia. Eis que chega papai, da mesma forma que chegava em minha memória de seus longos vôos – apenas sem macacão de vôo, usando roupas civis. Chega esbaforido, depois que todos estão devidamente instalados. Em pé junto a ele, observo você chegar.

    Mami, você estava tão frágil naquela maca, e ao mesmo tempo tão radiante, como se seu fraco corpo físico fosse o alabastro que deixava transparecer a luz da sua alma. Era tão você na explosão mais gentil-alegre da sua personalidade… brincando alegremente com um enfermeiro que a acompanhava – que jocosamente recomendava juízo e a deixava a meus cuidados.

    Ah, o beijo cheio de amor que vi você trocar em meu sonho com papai, que visivelmente segurava o choro. Aquele seu olhar amoroso-que-nos-derretia-por-dentro, na sua versão especial, reservada apenas para o homem de sua vida, que eu reconheci por ter surpreendido fugir de seus olhos algumas vezes durante minha infância. A saudade palpável entre vocês. Mãe, este encontro de vocês dois me encheu o coração de presságios.

    No entanto, se isto significa que você está mais próxima dele ou ele mais próximo de você, não importa. Importa para mim agora que eu sei – com a certeza da alegria profunda que pairava por todo o sonho – que juntos vocês ficarão. No Amor e na Luz. Obrigada, Mami, por vir me prestar socorro neste momento. Obrigada por este consolo.