• O que é que se diz?

    Date: 2004.09.08 | Category: amizade, amor, Asas de Borboleta, saudade | Tags:

    Ah, é duro quando uma pessoa que amamos parte antes de nós, quando parte cedo demais. Não há muitas palavras que consolem, pois neste caso só mesmo o tempo cura a ferida. Mas, para ti, poeta, quis deixar como um acalanto as palavras de outro poeta, que conviveu por muito tempo de perto com a indesejada das gentes.

    Para Rogério Simões, Manuel Bandeira. Com um beijo meu.

    OVALLE

    Estavas bem mudado
    Como se tivesses posto aquelas barbas brancas
    Para entrar com maior decôro a Eternidade.
    Nada de nós te interesava agora
    Calavas sereno e grave
    Como no fundo foste sempre
    Sob as fantasias verbais enormes
    Que faziam teus amigos rir e
    Punham bondade no coração dos maus.

    O padre orava:
    – “O côro dos anjos te receba…”
    Pensei comigo:
    Cantando Estrela brilhante
    Lá do alto mar!…

    Levamos-te cansado ao teu último endereço
    Vi com prazer
    Que um dia afinal seremos vizinhos
    Conversaremos longamente
    De sepultura a sepultura
    No silêncio das madrugadas
    Quando o orvalho pingar sem ruído
    E o luar for uma coisa só.

    (Ah, Alex, para ti, amigo querido, saudades da sua butterfly…)