• Date: 2007.07.15 | Category: amor, espírito, vida interior | Tags:

    Carta-compromisso

    Tanto, tanto, tanto que eu falei, e só o que ficou foi mágoa.
    Tanto, tanto, tanto que eu fiz, e só o que ficou foi falta.
    Tanto, tanto, tanto assegurei, e só o que ficou foi incerteza.
    Não fui capaz de fazer você crer, eu que creio tanto.

    A conclusão a que chego é que você, como quase todo mundo hoje em dia, jogou para longe e se recusa a abraçar tudo aquilo em que acredito. Eu até entendo o porquê, afinal é mesmo difícil resistir à pressão de uma sociedade inteira.

    Mais fácil é ser descrente, desconfiado, erguer barreiras – afinal, não dá para dizer que as minhas defesas são resultado de mero descontrole emocional meu, já que são reação a tudo que passamos juntos; você ajudou a criar a Sue que hoje desconhece –, mais fácil é achar que a vida é assim mesmo, e se armar.

    Só que NISSO eu não acredito.


    Um Amor Infinito
    Pedro Ayres Magalhães (Madredeus)

    Dizem que
    Um Amor Infinito
    Já não há
    Porque não pode ser
    Que um Amor
    Se Divino
    Já não há
    Nem se vai conhecer
    – E eu não acredito…
    – Não sei como eu não acredito…
    – E peço para ver
    – Eu só peço para ver
    – Ainda peço para ver
    Um Amor Infinito
    Já não há
    É impossível haver
    Dizem
    Que um Amor
    Consentido
    Já não há
    Nem se pode entender
    – E eu não acredito…
    – Não sei como eu não acredito
    – E peço para ver…
    – Eu só peço para ver
    – Ainda peço para ver
    Dizem que
    Um Amor Infinito
    Já não há
    Nem há tempo a perder
    Que um Amor
    Um Princípio
    Já não há
    Nem há nada a dizer
    – E eu não acredito…
    – Não sei como eu não acredito
    – E peço para ver…
    – Eu só peço para ver
    – Ainda peço para ver