• Date: 2007.08.22 | Category: amor, minerin-candango, saudade, vida interior | Tags:

    Acalanto à distância

    Dorme, mente cansada.
    Dorme, corpo dolorido.
    Descansa, voz triste.

    Sente na pele o beijo da asa da borboleta.
    Sente no sono a minha presença amorosa.
    Sente na alma o meu aconchego.

    Tudo que eu tenho de bom é seu.
    Presenteio sua tristeza com minha esperança.
    Hoje não me importa a pontada de saudade que sinto da sua voz.
    Não me importa que meu sono seja sonho de você.
    Não importa o desejo negado e o sentimento entalado.
    Não me importa o que eu gostaria que fosse.

    Tudo isto fica eclipsado pela tristeza que eu sinto em você,
    Tristeza que eu desejava de alguma forma diminuir.

    Dorme, querido, o colo é seu, sempre.
    Encosta confiante a cabeça pesada no meu peito…
    Dorme.