• Carta ao senhor do meu sentimento

    Date: 2002.09.07 | Category: amor, saudade, vida interior | Tags:

    Caríssimo…

    Meu maior medo nesta vida é não dizer a tempo tudo que me permita abrir as asas de borboleta do meu coração e voar como todo ser humano nasceu para voar. Sabe lá quando um ultraleve desgovernado, uma bala perdida, um carro em alta velocidade ou outro desastre qualquer emudeçam para sempre minha voz?

    Em meio às mil e uma ternurinhas que minha fantasia planejara oferecer a ti, das mil e uma noites de conversa ao pé do ouvido imaginadas, diante da realidade nua e crua da não-retribuição do meu amor – que continua impávido e intransigente, recusando-se a morrer – tenho de fazer uso de um talento maior que o meu, buscar o consolo em uma dor maior que a minha. Como a ave busca as correntes de ar quente para voar mais alto e mais longe.

    Daqui do alto, te digo: tudo o que faço, tu fazes comigo. Tudo o que penso, comento contigo em meu coração. Tudo o que vejo de belo, envio como um postal mental para ti. Tua presença é tão forte, tão intensa, que quase consigo me enganar e achar que tu estás mesmo aqui.

    Recebe esta canção como um beijo.

    Se eu não te amasse tanto assim

    (Herbert Vianna / Paulo Sérgio Valle)

    Meu coração, sem direção

    Voando só por voar

    Sem saber onde chegar

    Sonhando em te encontrar

    E as estrelas

    Que hoje eu descobri no seu olhar

    As estrelas vão me guiar

    Se eu não te amasse tanto assim

    Talvez perdesse os sonhos

    Dentro de mim

    E vivesse na escuridão

    Se eu não te amasse tanto assim

    Talvez não visse flores por onde eu vim

    Dentro do meu coração

    Hoje eu sei, eu te amei

    No vento de um temporal

    Mas fui mais, muito além

    Do tempo do vendaval

    Nos desejos, num beijo

    Que eu jamais provei igual

    E as estrelas dão um sinal