• Date: 2002.12.14 | Category: Uncategorized | Tags:

    Amor aos Mortos

    O dia 14 de dezembro é um dia complicado para mim. É o dia que eu estaria comemorando com minha mãe, se ela estivesse viva, o seu aniversário. Então peço licença a todos os vivos para falar agora com meus mortos, especialmente a linda aniversariante:

    Mãe, você é hoje ainda mais próxima de mim do que quando era viva, porque hoje você é uma mãe que não reclama da bagunça, que não fica falando para eu rir mais baixo, que não fica esperando acordada eu chegar da rua de madrugada. Hoje você é uma Mãe Amor Absoluto, uma Mãe Sorriso, uma Mãe Colo. Hoje você é parte indissolúvel de mim, aquela mãe que eu carrego no meu coração e que fica sussurrando baixinho no meu ouvido “vai, filha, por nós duas…” Hoje você é parte da estrutura que me mantém de pé, parte da minha força, parte da minha capacidade de amar. Feliz aniversário, mãe. Nem precisa falar que não poder abraçar você dói como ferro em brasa… São 17 anos sem seu abraço, mãe, mas cada dia mais eu sinto você aqui, dentro do meu coração. Não posso comprar um presente para enfeitar você, minha mãe, mas sua alma é tão bela que nada poderia enfeitá-la mais… Um beijo, uma oração, um pensamento amoroso, todos os dias, todos os dias, todos os dias…

    Eu acho que as pessoas evitam de falar nos seus mortos, têm medo deles, e acham muito esquisito eu falar dos meus com tranquilidade. Tenho apenas UM amigo que entende. Porque ele, como eu, tem seu amor dividido entre este mundo e o outro, às vezes desequilibradamente mais lá que aqui. A presença destes mortos amados é interna, preciosa, eles nos tocam de mansinho, nos abençôam, nos protegem. Eles nos aceitam e entendem, não discutem conosco, porque enxergam a parte de nós que os vivos não vêem, e é a parte mais bonita. Eles lêem nossos corações, escutam nossa mente, nos amam sem a cobrança irremediável dos vivos. Sei que este amigo entende e compartilha, com os seus mortos, desta carinhosa convivência com os amados que partiram. É ao mesmo tempo muito triste e muito sereno amar um morto. Isso quando sabemos que eles não estão aqui, mas estão logo ali, e estamos caminhando em direção a eles.

    Hoje foi então dia de festa na casa de meus ancestrais, porque foi o dia, muitos anos atrás, que uma linda menina de olhos verdes como os meus veio a este mundo para crescer, encantar a muitos, amar a apenas um, ter os filhos dele, inclusive eu. Este é um dia para ser comemorado sempre, apesar de minha mãe agora comemorar o seu aniversário em um outro dia… Ela nasceu para a vida eterna no dia 14 (também) de maio de 1986, e espero que esteja desabrochando lá como desabrochou aqui, a mais linda rosa de nossa família.

    Como um último presente, parte da letra de uma lindíssima música do sagrado Coração da Terra, que é quase exatamente o que sinto em relação à minha mãe… uma homenagem aos meus amados mortos, e um carinho nos meus amados vivos, em especial naquele amigo que sabe bem do que estou falando. Este post também é para você, meu amigo querido.

    CORPO VELEIRO

    O tempo apaga tão bem as memórias

    Quase não me lembro mais

    Da tarde em que deixei a tua mão

    Como o navio deixa o porto bom

    E os ventos da sorte

    Levaram a branca vela dos meus sonhos

    E se perderam nas brumas do tempo

    Sigo teu rastro nas águas

    Pelo resto da vida

    A noite no corpo

    Mas na brisa teu nome

    Mente que viaja

    No veleiro do corpo

    Buscando entre os sonhos

    E ilusões, teu porto

    Guia o meu sentido

    Estrela cintilante

    Oh Mãe das grandes águas

    Dormindo mansamente

    No fundo dos meus olhos

    No fim do meu caminho

    Te esperarei sorrindo

    Veleiro de luz eu te encontrarei